sábado, 21 de abril de 2012

Peixe Dourado

Na calmaria das águas submersas,
Ao fundo, do fundo do oceano,
Onde a escuridão eterna se perpetua nos seres que
Escondem-se em si mesmos,

Os peixes abissais conduzem com suas luzes,
Contingentes incalculáveis de seres marinhos.
À própria perdição.

Devoram-nos, um a um, e todos banhados pela luz
Não notam os estraçalhar das suas próprias entranhas
E dão suas vísceras como um tributo horrendo à iluminação.

Já não se bastam apenas nos oceanos.
Os abissais andam agora pela terra.
E levam sua luz, à quem na escuridão se encontra.


sábado, 14 de abril de 2012

Leveza.

Já não foi sem algum pesar que deixei na calçada minhas muitas ideologias, e sai nu em pelo, cômico para aqueles que usam blusões pesados cheios de preconceitos, mas tão leve para os desnudos iguais a mim, penso agora em desenhar minha própria roupa, leve, como andar nu.