quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Já se foi.

Pálpebras pesadas, alguns suspiros, garganta irritada, boca seca.

Quando o Lorde olha o relógio, já se foram as horas, ficaram só os ponteiros.

Eram restos de um tempo de outrora.

E, já passara meu caro.

Na casaca do Lorde as traças moribundas paralisadas na falta que o tempo fez.

Devagar, as pálpebras se fecham e os sonhos se confundem com a realidade.

E ele dorme, como nunca dormiu.

É um martírio para os sonhadores, viverem acordados, nesse mundo tão real.

Um comentário: