domingo, 29 de agosto de 2010

Moinho.

Quando os moinhos se vão, sempre ficam as folhas,

Sim, as folhas,

A água seca tornasse em lembranças,

Na velha madeira do moinho, tudo estala, até o silêncio,

O vento restante já não importa,

De todas as cores resta o cinza, o marrom, abraços, promessas,

Nenhuma perca se equipara a perda de um moinho,

Restam folhas por todo lado,

Folhas secas,

Folhas ,

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Pedaço

Parte de mim é o que toco, maneira de expressar além das palavras,
Parte de mim é o que escrevo, forma de mostrar sentimentos além-som,
Sobra-me ainda, as lágrimas, os sorrisos afetados, e os outros tantos,
Falta-me,
Falta-me partes,
Tantas lacunas criativas,
Quebra -cabeças só de cantos,
Mas,
Toda e qualquer arte, faz parte da parte que faço parte.