quinta-feira, 20 de maio de 2010

Pequenos segredos.

Dou preferência às manhãs frias,

Café preto na caneca,

Alguns tímidos raios luminosos,

Quando me inclino para escrever,

A caneta se torna os caminhos,

O manuscrito se torna o mundo,

E eu me torno poeta.

Adendo sobre a noite.

Noite longa,

Cheia de calmaria desconfiada,

E aquele pequeno floco de neve desce,

Desce desde os céus,

Toca meus lábios,

Umedece minhas falas,

Ameniza meu ego,

Controla meu temperamento,

Doma meu monstro,

Esfria minha crítica,

Pequeno,

Floco

De

Neve.